Geral

Pedagogia Para a Autonomia e Aprender a Aprender

Como ajudar as crianças a lidar com as alterações de rotina devido ao COVID-19

As famílias, em todos os países, têm vindo a adaptar-se às mudanças radicais que foram impostas nos seus estilos de vida, fruto da pandemia da COVID-19.

As escolas, os lugares públicos e as empresas de recursos não essenciais encontram-se fechadas. É esperado que os pais e os profissionais de saúde ajudem as suas famílias a ajustarem-se a esta nova realidade. Isso inclui manter as crianças ocupadas, sentirem-se seguras e tentar acompanhar as tarefas da escola da melhor maneira possível. Nada disso é fácil, mas, ajuda a mantermo-nos focados no que é possível e na esperança de garantirmos às crianças que elas estão bem e que a situação vai melhorar.

É muito importante lembrar que as crianças olham para os adultos à procura de orientação sobre como reagir a eventos stressantes. Reconhecer algum nível de preocupação, sem entrar em pânico, é apropriado e pode ser uma das atitudes necessárias para reduzir o risco de doença.

Ensinar às crianças medidas preventivas positivas, conversar com elas sobre os seus medos e dar-lhes uma sensação de controlo sobre o risco pode ajudar a reduzir a ansiedade.

Esta fase de quarentena permite-nos transmitir para as crianças conceitos como “flexibilidade”, “compaixão” e “solução de problemas”, uma vez que nos temos que ajustar a novos horários, equilibrar o trabalho com outras atividades, ser criativo sobre como gastamos o nosso tempo e lidar com a ausência de amigos e familiares mais próximos.

As dicas a seguir podem ajudar:

1 – Fique calmo, ouça e ofereça garantias

  1. Seja um modelo. As crianças vão reagir e seguir o seu comportamento. Eles aprendem com o seu exemplo;
  2. Esteja ciente de como fala sobre o vírus. Se for o caso, lembre-os de que a família é saudável e que fará tudo o que estiver ao seu alcance para manter os seus entes queridos em segurança. Escute com atenção ou peça que desenhem/escrevam o que pensam e sentem, respondendo sempre com a verdade;
  3. Explique o isolamento social. Sensibilize-os que isto implica ficar longe/afastado dos outros até que o risco de contrair o vírus esteja controlado e que devemos seguir as diretrizes dos especialistas da saúde. As crianças mais velhas poderão ver gráficos que os levará a uma maior compreensão do porquê desta atitude;
  4. Ensine a respirar fundo. Pode ser uma ferramenta valiosa para acalmar o sistema nervoso. Faça exercícios de respiração com os seus filhos;
  5. Concentre-se no positivo. Celebre o ter mais tempo em família, tornando as dinâmicas o mais divertido possível. Faça projetos familiares. Organize pertences, crie obras de arte. Permita que as crianças mais velhas falem com os amigos virtualmente;
  6. Estabeleça e mantenha uma rotina diária. Manter uma rotina ou seguir uma planificação, proporciona uma sensação de controlo, previsibilidade, calma e bem-estar. Também ajuda as crianças e os outros membros da família a respeitarem as necessidades dos outros por um período de tempo;
  7. Identifique projetos que possam ajudar outras pessoas. Pode incluir escrever cartas aos vizinhos, profissionais de saúde ou a outras pessoas que estejam em casa sozinhas; enviar mensagens positivas pelas redes sociais; ler um livro infantil para crianças numa plataforma social;
  8. Transpire amor e carinho.

 

2 – Monitorize o tempo e qualidade da televisão e das redes sociais/jogos:

  1. Ver continuamente notícias do COVID-19 pode aumentar o medo e a ansiedade. Informações inadequadas para o desenvolvimento ou informações projetadas para adultos, também podem causar ansiedade ou confusão, principalmente em crianças mais novas.
  2. Dissipe boatos e informações imprecisas. Explique ao seu filh
    o que muitas histórias sobre o vírus podem incluir rumores e informações imprecisas ou falsas. As crianças mais velhas, em particular, podem ter acesso a informações on-line e de amigos que são falsas.
  3. Forneça alternativas. Envolva o seu filho em jogos ou outras atividades

 

3. Tire tempo apenas para conversar:

1. Responda às perguntas com sinceridade, mas não entre em detalhes ou fatos desnecessários. Não evite dar as informações que os especialistas indicam como cruciais para o bem-estar dos seus filhos. Frequentemente, crianças e jovens não falam sobre o que os preocupa porque estão confusos ou não querem preocupar os seus entes queridos. Dê-lhes o controlo.

 

4. Fique ligado à escola:

1. Procure recursos de aprendizagem. A maioria das escolas encontra-se com aulas virtuais. No entanto, procure alternativas diferentes como plataformas online que atualmente oferecem diferentes oportunidades gratuitas de aprendizagem;

2. Entre em contato. Procure saber como a escola tem vindo a comunicar com a família dos alunos. Certifique-se de ler as comunicações recebidas. Verifique com os seus filhos, principalmente os mais velhos, uma vez que podem estar a receber informações diretamente.

 

 

5. Siga um modelo de higiene e mantenha-se ativo:

    1. Pratique diariamente uma boa higiene. Incentive o seu filho a praticar essas etapas simples para evitar a propagação do vírus;
    2. Lave as mãos várias vezes ao dia por 20 segundos. Use músicas conhecidas.
    3. Promova uma sensação de controlo. Orientar os seus filhos sobre o que podem fazer para prevenir a infeção oferece-lhes uma maior sensação de controlo, o que reduz a ansiedade.
    4. Construa um bom sistema imunológico. Incentive o seu filho a seguir uma dieta equilibrada, dormir o suficiente e fazer exercício regularmente. Isso ajudará a desenvolver um sistema imunológico mais forte para combater doenças.